Associação entre Doença Periodontal e Parto Prematuro

  • JENIFER GARCIA ROCHA UFES
  • Bianca Scopel Costa HUCAM
  • Eduardo Filipe da Paz Scardua HUCAM
  • Gabriela Petri de Bortolo HUCAM
  • Wellen Góbi Botacin UFES
  • Christianne Alves Leal UFES
  • Karoline Simões Costa UFES
  • Roberta Costa e Silva UFES

Resumo

Introdução: A etiologia do nascimento prematuro ainda não é bem definida, porém existem alguns fatores de risco que estão frequentemente associados ao parto pré-termo como: uso de drogas ilícitas na gravidez, ausência de cuidados no pré-natal, deficiências nutricionais, hipertensão, partos múltiplos, infecções, entre outros. A doença periodontal como um possível fator de risco para o nascimento prematuro tem sido apontada na literatura. As explicações para esse achado baseiam-se na hipótese de que a doença periodontal, por ser um foco infeccioso, poderia levar ao aumento da expressão de citocinas, prostaglandinas e interleucinas na corrente sanguínea da gestante, acarretando em contrações uterinas e dilatação cervical, fatores estes que possibilitam a ocorrência de trabalho de parto prematuro. Objetivos: Revisar a literatura científica em relação a possível associação entre doença periodontal como um fator de risco para o nascimento prematuro. Metodologia: Foram incluídos os trabalhos listados na base de dados eletrônica MEDLINE, no período de 2008 a 2018, utilizando os descritores: premature birth, periodontal disease, risk factor. Os artigos considerados relevantes foram selecionados após análise dos resumos, sendo incluídos ainda artigos citados nos estudos previamente selecionados. Resultados: Foi possível observar por meio deste trabalho que existe uma associação entre as citocinas e as complicações gestacionais, porém ainda não está claro se a doença periodontal representa um fator causal para as intercorrências da gestação. Alguns autores não observaram uma relação significativa entre a doença periodontal materna e a prematuridade. Entretanto, há um consenso na literatura de que o tratamento periodontal durante a gravidez tem se mostrado eficaz na proteção contra os efeitos negativos obstétricos. Além disso, é essencial a prática multiprofissional rotineira na saúde da mulher e a atenção da saúde bucal da gestante não pode ser excluída dos cuidados pré-natais. Diante disso, é fundamental a ampliação de medidas preventivas nos cuidados odontológicos que sejam aplicados nos sistemas públicos e privados de saúde, para que ocorra a redução da probabilidade de partos prematuros. Conclusão: Apesar dos estudos concluirem que a doença periodontal apresenta-se como um fator de risco para o parto prematuro, ainda há controvérsias na literatura, de modo que, há a necessidade de mais pesquisas nessa área, sendo fundamental a padronização metodológica entre as pesquisas, para que seja obtidas conclusões definitivas.

Publicado
2018-11-13
Como Citar
ROCHA, JENIFER GARCIA et al. Associação entre Doença Periodontal e Parto Prematuro. Anais da Jornada Científica e Cultural FAESA, [S.l.], p. 21 - 22, nov. 2018. Disponível em: <http://revista.faesa.br/revista/index.php/jornadaCientifica/article/view/335>. Acesso em: 15 set. 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##