Hipoplasia do esmalte

Relato de caso

  • Kiani dos Santos de Paula FAESA Centro universitário, Vitória, ES, Brasil
  • Paula Plotegher Prando FAESA Centro universitário, Vitória, ES, Brasil
  • Gabriela Cassaro de Castro FAESA Centro universitário, Vitória, ES, Brasil

Resumo

A hipoplasia do esmalte (HE) trata-se de uma deposição insuficiente de matriz orgânica durante a amelogênese, que provoca alterações estéticas, podendo ser notada na cor branca, amarela ou acastanhada com superfície áspera ou não, e em alguns casos, a qualidade do esmalte é afetado, assim como a quantidade. Este tipo de defeito pode causar sensibilidade dentária, e mais suscetível a cáries dentárias, segundo Oliveira, et al (2015).


 


   O tratamento da HE pode ser realizado por razões estéticas, por gravidade da alteração e por necessidade de melhorar as condições funcionais e psicológicas do paciente. A reprodução das características ópticas dos dentes, como translucidez, opalescência e fluorescência, requer um conhecimento considerável das técnicas restaurativas e dos materiais disponíveis. Conforme afirma CHAGAS, JÁCOMO, CAMPOS (2007) implica na remoção do esmalte atingido e na restauração com resina composta fotopolimerizável. Em situações especiais, em que a alteração estrutural é mais grave e atinge toda a coroa do incisivo, poderá ser necessária a confecção de faceta em resina composta, laminado cerâmico ou até mesmo coroa total.


 


 O objetivo deste trabalho foi descrever o tratamento de um caso de HE devido a queixas estéticas, sendo a resina composta o material de escolha.

Publicado
2018-11-13
Como Citar
DOS SANTOS DE PAULA, Kiani; PLOTEGHER PRANDO, Paula; CASSARO DE CASTRO, Gabriela. Hipoplasia do esmalte. Anais da Jornada Científica e Cultural FAESA, [S.l.], p. 47 - 51, nov. 2018. Disponível em: <http://revista.faesa.br/revista/index.php/jornadaCientifica/article/view/420>. Acesso em: 23 fev. 2019.